Citação · Literatura · Livros · Para inspirar · Poesia · Poesia todo dia · Sem categoria

Necessidade

IMG_20151128_141604-01

O que define uma necessidade?

Não, não é preciso ir ao dicionário. Tampouco ao Google. Basta olhar um pouquinho para dentro de si. Olhar-se ao espelho também pode ajudar (ou desesperar!). Em todo o caso, a necessidade é sempre algo que nos falta. Algo a nos completar, nos preencher, nos saciar. E não, não estou a falar das necessidades básicas, que essas todos bem as conhecem. Falo de necessidades mais sutis. Pequenos fragmentos quase imperceptíveis que, ao comporem o quadro de nossa realidade, tendem a ser minimizados pelo pragmatismo das “reais” necessidades. Fragmentos de devaneio, sonho e sensibilidade. Fragmentos de música e de arte. De poesia.

A poesia é necessária porque nos falta. Falta em nós o que sobra aos poetas. Falta em nós não o sentimento, mas uma forma de expressá-lo. Falta em nós não o sonho, mas uma linguagem para transpô-lo. Falta em nós não o mistério, mas o saber dizê-lo. Falta em nós não a explicação, mas o entendimento. E porque nos falta _ ah, tantas vezes nos falta_ a humildade de nos reconhecermos humanos, é que a poesia é tão necessária.

Disso sabia o mestre da crônica, Rubem Braga. Tão bem o sabia que criou, na extinta revista Manchete, a seção “A poesia é necessária.” Lá, publicava poemas os mais variados. Apresentava poetas novos, relembrava poetas esquecidos, revisitava poetas consagrados. Até o dia em que a nova direção da revista decidiu que a poesia não era mais necessária. O velho Braga acatou a decisão: “Não discuto com a direção. A prova de que a poesia não é necessária é que a revista continua crescendo, vende como pão quente, está cheia de anúncios e rendendo bela erva.”

Não fui leitora da Manchete, mas sou leitora de Rubem Braga. E se poesia não vende como pão quente é apenas porque ainda não se aperceberam de sua falta. Não se deram conta de que os melhores sonhos nem sempre se encontram às padarias, e que a doçura da vida não se prende só ao paladar.

Sim, Rubem, a poesia continua necessária. Prova disso é este livro que aí está, lançado em 2015, entre notícias de mares de lama: em Brasília, em Mariana. Entre o terror em Paris e a carnificina de nosso trânsito. Entre tantas faltas, aqui dentro ou lá fora, está aí este livro a comprovar que a todo instante, no mundo inteiro, “a poesia é necessária”.

————————————————————-

CARTA DO LÍBANO
Afonso Felix de Sousa

Sabias que entre os árabes
se a mulher engravida
aos pais todos auguram
um varão e não filha?

Que se nasce menina,
o pai já tem por praxe
do que cobra a parteira
não dar mais que a metade?

Pois nasceste menina
contra o augúrio de todos,
e por isso à parteira
eu pagaria em dobro

Fonte: BRAGA, Rubem. Organização André Seffrin. 1.ed. São Paulo: Global, 2015.

Anúncios

5 comentários em “Necessidade

  1. Que texto lindo! Dizem que só a poesia fala a verdade. E segundo Leminski poeta não é só quem escreve poesia mas também quem ama e curti poesia. Estamos nessa Cris.

    Curtir

  2. Muito necessária Cris, pra tudo o que é leve, suave como o vento, ou até os dramas da vida, encontrarem um canal de expressão com o outro, um encontro, uma reflexão, um sentimento. Beijos e boa semana querida!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s