Citação · Para refletir · Ver e ouvir

Ver e Ouvir Leandro Karnal

1446389691062

Leandro Karnal. Você certamente já ouviu falar dele. Simplesmente porque ele está em todos os lugares. Sua onipresença se dá graças às mídias digitais e redes sociais. Karnal é escritor, palestrante, conferencista, entrevistado de programas de televisão. Historiador e doutor em História Social, encanta plateias falando de política, religião, comportamento, felicidade,  Shakespeare, Facebook, o que quer que seja. Tem milhares de seguidores e fãs, mas rejeita o rótulo de “guru”. Diz ele que prefere ter amigos a discípulos.

Mas, sim, também eu me converti em uma fã. A primeira vez que o vi foi num daqueles vídeos enviados via WhatsApp. Falava sobre morte. E foi o quanto bastou para querer ouvir mais, saber mais, conhecer mais através daquela fala tão bem fundamentada, argumentada e assertiva. Vasculhei a internet em busca daquela voz, daquele manancial de conhecimento e erudição. Tudo o que vi só me fez querer ver e ouvir ainda mais.

Não sei o porquê de tanta gente admirar e idolatrar Leandro Karnal. Sei apenas dos motivos meus. Descobri, após ouvi-lo inúmeras vezes, que há qualquer coisa na impostação de sua voz, na maneira como nos encanta e seduz para o conhecimento. Há qualquer coisa de professoral em sua fala. Nada poderia ser mais óbvio: Karnal é professor. Mas foi precisamente aí que minha admiração por ele se agigantou.

Karnal se orgulha de ser professor. Seu perfil no Facebook é claro e sucinto: Professor. Como se a grandiosidade da palavra abarcasse, per si, todos os títulos de escolaridade, de importância e de significância. Desnecessário intitular-se historiador ou doutor. Escritor ou palestrante. Ao declarar-se “professor”, Karnal resgata a dignidade e a honradez de sua, de minha profissão. O professor precisa, sim, ter perfeito domínio de seu objeto de estudo. Ter conhecimento, discernimento, posicionamento crítico. Precisa ser senhor do conteúdo que ministra. Precisa ser autoridade sem ser autoritário. Precisa respeitar e fazer-se respeitado. Precisa educar através de seu próprio modo de ser no mundo, ou, como diz Buber: “a verdadeira pessoa educa através da sua existência.”

Assistir a uma palestra do professor Karnal é como assistir a uma aula. Uma aula magistralmente ministrada. Talvez isso explique seu tamanho sucesso. Talvez estejamos_ desde há muito_ carentes de professores assim: conhecedores, sábios, eruditos, livres-pensadores, vocacionados para ensinar, apaixonados por ensinar, convictos daquilo que ensinam. Professores que nos façam pensar e questionar, refletir e mudar. Professores que se orgulhem de ser o que são: pessoas que ensinam.

Karnal nos ensina. Somos instigados a pensar. É um verdadeiro professor, a quem sempre vale a pena ver e ouvir.

Anúncios

9 comentários em “Ver e Ouvir Leandro Karnal

  1. Oi Cris!
    Até bem pouco tempo, eu não sabia quem era Leandro Karnal, até vê-lo no Jornal da Cultura onde participa como comentarista e imediatamente fiquei fascinada também com a maneira clara de falar e suas opiniões que nos instigam a pensar e ir além. Foi então que procurei mais sobre ele.
    Curiosamente hoje o assisti no JCdebate falando sobre morte. Maravilhoso sua narrativa sobre ele.
    Assistirei ao vídeo certamente! Obrigada por partilhar.
    Beijo!

    Curtir

  2. Cris querida, logo no início, quando ele menciona a polaridade dos dias atuais, refleti como a história se antecipa a ela mesma. Karnal faz uma exposição que remete a vários momentos históricos, como paralelos convergentes. Como se vários rios corressem em diferentes direções, relevos e tempo, para desaguar no presente, nos vemos aprisionados e ameaçados por imposições e limites inimagináveis, virtuais e reais. Quando ele cita o Bobo da Corte do Rei Lear, ao dizer “pobre Lear, ficou velho antes de ficar sábio”, talvez seja um dos poucos momentos em que possa haver esperança, ou seja, almejar ainda a sabedoria.

    Curtir

    1. Querida Marina!!
      Obrigada por sua bela reflexão!
      Dia desses, lendo sobre as guerras religiosas na França do século XVI, me dei conta de que tudo na história do mundo se repete (ou simplesmente continua?). Não sei dizer, nem entendo de história, na verdade. É apenas um palpite. Só sei é que não se pode perder a esperança, por mais difíceis e cruéis que sejam os tempos!
      Um abraço bem apertado pra vc, e muito obrigada pela adorável companhia!!
      Beijão

      Curtir

  3. Sobre minha relação, um tanto platônica qto karnal com Leandro, hoje assumo que meu lado inculto o ama mas meu lado intelectual quer devorá-lo e assim sigo e o sigo!
    Alguém sabe me dizer onde são feitos os encontros dos vídeos?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s